Pesquisar neste blogue

sábado, 22 de março de 2014

Biscates / 2º emprego por polícias

No ano passado, o comando geral da GNR abriu 14 processos a militares apanhados a fazer part--times. E em 2012 foram instaurados outros 14 processos, mais nove do que no ano anterior. Já em 2010, segundo dados cedidos ao i pela GNR, foram registadas nove situações, que se somaram às quatro de 2009.
O comando geral explica que os números são "pouco expressivos", tendo em conta que se trata de uma instituição com cerca de 23 mil militares. Porém, a Associação dos Profissionais da Guarda (APG) acredita que estas estatísticas estão longe de representar a realidade. "Há seguramente muito mais casos de guardas a trabalhar por fora", garante César Nogueira. O presidente da APG admite que "muitos" militares fazem segurança privada e trabalham como taxistas nas horas vagas - contrariando a lei, que não permite aos elementos das polícias desempenharem qualquer outra profissão. No caso da GNR, os militares são mesmo obrigados a pedir autorização ao comando geral antes de se oferecerem para serviços humanitários, como é o caso dos bombeiros.
O presidente da APG avisa, por outro lado, que o número de militares com profissões paralelas está a aumentar. "A crise e os cortes nos salários só podem ter essa consequência", justifica. Desde o início deste ano, cada militar da GNR terá perdido uma média de 150 euros no vencimento. "E há muitos profissionais a atravessar dificuldades enormes e que deixaram de poder pagar empréstimos da casa, despesas e alimentação dos filhos", diz César Nogueira.
http://www.ionline.pt/artigos/portugal/gnr-abriu-processos-14-militares-fazerem-biscates