Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 14 de julho de 2011

35 agentes da PSP de baixa no Bairro Alto

Criticam decisão judicial que condenou colegas

Lisboa: 35 agentes da PSP de baixa no Bairro Alto

Desde a madrugada de ontem que 35 agentes da PSP da esquadra do Bairro Alto, em Lisboa, meteram baixa médica em protesto contra a decisão judicial que condenou dois polícias daquela esquadra a uma pena de prisão efectiva de quatro anos e três meses.

Na prática, a PSP teve de deslocar agentes de outras esquadras para ali por não haver pessoal suficiente. A Direcção Nacional da PSP, através do Comissário Fábio Castro, confirmou ao CM a situação.
"Houve algumas baixas e o Comando Metropolitano de Lisboa teve de adaptar o dispositivo. Mas a segurança das pessoas não está em risco", garante o oficial.
O presidente do Sindicato Unificado de Polícia, Peixoto Rodrigues, explica que isto só acontece porque "os polícias estão a sentir-se intimidados a fazer o serviço numa zona que é complicada, com muitos bares e álcool a circular".
Peixoto Rodrigues garante ainda que os agentes "estão indignados com a pena porque é completamente desproporcional em relação a outras" em que criminosos saem em liberdade. "Os agentes estão com medo", resume.
Esta contestação surge depois de dois agentes da PSP da Esquadra do Bairro Alto terem sido condenados na terça-feira, a quatro anos e três meses de prisão efectiva, por terem agredido um estudante alemão na esquadra, em 2008.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/lisboa-35-agentes-da-psp-de-baixa-no-bairro-alto

terça-feira, 5 de julho de 2011

Polícia absolvido de maus-tratos contra juíza

Polícia absolvido de maus-tratos contra juíza
O sub-chefe da PSP acusado de violência doméstica, ameaça e agressão contra a ex-companheira, uma juíza que exerce funções num tribunal do Grande Porto, foi absolvido esta segunda-feira de todas as acusações por um colectivo das Varas Crinminais do Porto.
O tribunal considerou que as alegadas ameaças proferidas pelo polícia através de SMS aconteceram no âmbito de discussões normais entre um casal.
Vários episódios de dispustas que constavam da acusação do Ministério Público, uma dela no interior de uma confeitaria do Porto, onde o PSP acabou por ser detido por elementos da Investigação Criminal durante a entregue ao pai da filha do casal, também foram consideradas sem fundamento criminal.
Ao JN, o visado disse que foi reposta a sua dignidade, reafirmando que nunca tinha cometido nenhum crime.
O tribunal também negou à juíza, que se tinha constituído assistente no processo, um pedido de indemnização cível de cinco mil euros.

Aqui está o Post anteriormente publicado:

Domingo, 11 de Abril de 2010


O estatuto de uma Juíza...Agentes à civil vigiaram encontro para entrega de filha

Vejam este exemplo de superioridade de raça humana, onde ser juíza lhe confere plenos poderes também com ajudinha comtoda a certeza de um mau chefe da P.S.P. que não conhece a matéria do foro Penal.

Eis o título do JN: "Chefe da PSP detido por bater em juíza com quem já viveu"

Eis a minha admiração: "Agentes à civil vigiaram encontro para entrega de filha menor, que culminou em violência."

Ainda por cima alguém desta Esquadra/Comando foi relatar à comunicação social o sucedido, ora que vergonha meus senhores, esta juíza não pode ter poder para tudo isto. Logo uma juíza que tem faca e queijo na mão, que faz sentar no banco dos réus quem ela quiser, e que além de conseguir colocar uma patrulha empenhada numa simples entrega de um a um progenitor, que diremos nós ao comum cidadão quando nos pedir tal façanha, sabemos perfeitamente que não se dispõe de patrulhas suficientes para tratar de igual forma estas situações, muito menos uma patrulha de Investigação Criminal num problema de Violência Doméstica.

Fico envergonhado, Sr.ª Juíza e responsável desta diligência por parte da P.S.P.


Vejam a notícia: http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Policia/Interior.aspx?content_id=1541017

E não pára...mais uma divulgação a jornal (que feito): http://www.cmjornal.xl.pt/noticia.aspx?contentid=A77DCFF6-2893-4836-8C2D-C211B1E5538F&channelid=00000010-0000-0000-0000-000000000010

domingo, 3 de julho de 2011

Conduziu carro da Polícia sem carta durante anos

Conduziu carro da Polícia sem carta durante anos

Agente recentemente descoberto foi transferido e tem processo-crime

A PSP de Vila do Conde teve, durante anos e anos, um agente a conduzir carros-patrulha sem ter carta de condução. O caso está a provocar escândalo interno e gerou até um processo-crime. O polícia continua em funções.

De acordo com informações recolhidas pelo JN, vários colegas suspeitavam da situação há algum tempo. Porém, o agente principal foi desmascarado apenas com a entrada de novos elementos para aquela divisão policial. Ao constatar, por mero acaso, que o suspeito, de 50 anos, não tinha habilitação legal para conduzir, recusaram fechar os olhos e denunciaram o caso à hierarquia.
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Policia/Interior.aspx?content_id=1895929