Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 30 de março de 2011

Regulamento de Continências e Honras

Portaria n.º 123/2011

Ministério da Administração Interna
Aprova o Regulamento de Continências e Honras da PSP e respectivos quadros
http://dre.pt/pdf1sdip/2011/03/06300/0173201746.pdf

Uniformes, Fardamento e Equipamento

Portaria n.º 122/2011

Ministério da Defesa Nacional
Primeira alteração à Portaria n.º 484/2003, de 17 de Junho, que aprova o Regulamento de Uniformes, Fardamento e Equipamento do Pessoal da Polícia Marítima
http://dre.pt/pdf1sdip/2011/03/06300/0173101732.pdf

quarta-feira, 9 de março de 2011

PSP "ganha" segurança do aeroporto de Beja

PSP "ganha" segurança do aeroporto de Beja

A segurança do novo Aeroporto de Beja deverá ser garantida pela PSP, apesar da infra-estrutura estar situada numa freguesia rural, São Brissos, em área territorial da responsabilidade da GNR. As associações da Guarda já se mostraram contra esta possível decisão que deverá ser tomada em breve pelos ministérios da Administração Interna e das Obras Públicas.


Tal como o CM noticiou na quinta-feira, tudo aponta para que seja a Polícia a ganhar a "corrida" disputada pelas duas forças. Nesse mesmo dia, durante a visita que realizou aos comandos distritais de Beja da PSP e da GNR, o secretário de Estado Adjunto da Administração Interna deixou claro ser essa a possibilidade mais provável. "É no organigrama da PSP de Beja que está a esquadra de segurança aeroportuária", disse José Conde Rodrigues, sublinhando que tendo o futuro aeroporto de Beja "características semelhantes aos aeroportos de Faro, Pedras Rubras ou Lisboa, fará mais sentido que seja a PSP" a assegurar essas funções e a sua segurança.
Em comunicado, a Associação Sócio-Profissional Independente da Guarda Nacional Republicana (ASPIG) exige a presneça da GNR no aeroporto de Beja e lembra que a nova lei orgânica da força prevê dotar os Comandos Territoriais Distritais de destacamentos aerotransportados.
A Associação dos Profissionais da Guarda – APG/GNR refere que esta a decisão do Governo será interpretada como uma "falta de confiança no profissionalismo dos elementos que servem a Guarda" e que poderá abrir portas para outras situações similares, como por exemplo no caso do futuro aeroporto de Alcochete. A associação já soliticou uma audiência ao Ministro da Administração Interna para que sejam prestados esclarecimentos sobre este assunto.